Quando o Câncer Colorretal é Descoberto no Início, os Pacientes Têm Grande Chance de Cura.

Colorretal
25 de junho de 2018
O câncer colorretal é o 2° tipo mais comum em mulheres e o 3° mais comum em homens, quando exclui-se tumores de pele não melanoma, de acordo com dados do Instituto Nacional do Câncer (Inca – http://www.inca.gov.br/estimativa/2018/casos-taxas-brasil.asp). Estima-se cerca de 36 mil novos casos no Brasil em 2018.
Apesar da alta incidência, os métodos de prevenção, sintomas precoces e tratamentos muitas vezes são pouco são pouco conhecidos pela população.
Também conhecido como o câncer do cólon e reto, a doença pode ser detectada através da colonoscopia. Este exame pode ainda detectar pólipos, que são lesões “pré-malignas” e consiste de importante arma na prevenção, uma vez de 95% destes tumores inicia-se a partir de pólipos (lesões benignas, algumas com potencial de evoluir para um câncer) que podem crescer na parede interna do intestino grosso e reto.
Uma das formas de prevenir o aparecimento do câncer é a detecção e a remoção desses pólipos antes de se tornarem malignos. Esta remoção é comumente realizada durante a própria colonoscopia. A Associação Americana de Câncer (www.cancer.org) recomenda a realização deste exame aos 45 anos de idade, para pacientes assintomáticos e, logicamente, de modo mais precoce quando houver sinais de alerta:
– Alteração do padrão de evacuações;
– Sangue ou muco nas fezes;
– Dor ou desconforto abdominal;
– Sensação de evacuação incompleta, entre outros.
Para os descendentes diretos de pessoas que tiveram câncer de intestino, a indicação é começar rastreamento com a colonoscopia dez anos mais jovem do que a idade em que o parente foi diagnosticado (ou antes, a depender da suspeita ou diagnóstico de síndromes genéticas hereditárias).
Válido lembrar entrevista do cirurgião da Seção de Cirurgia Abdomino-Pélvica do Inca, Rodrigo Araújo, que o câncer colorretal é uma doença facilmente curável quando descoberta no início: “Se diagnosticada nos estágios iniciais, a chance de cura da doença é de 90%” (http://agenciabrasil.ebc.com.br/geral/noticia/2018-04/cancer-colorretal-tem-90-de-chance-de-cura-se-descoberto-no-inicio-diz-medico).
Entre os medidas que parecem proteger do aparecimento do câncer de colo e reto, a adoção de hábitos saudáveis, com uma dieta rica em fibras, composta de frutas, verduras e legumes, assim como evitar exageros em bebida alcoólica, carne vermelha e alimentos processados.

Quem pode ter câncer colorretal?

Apesar de não sabermos exatamente quais são as causas do câncer colorretal. Alguns fatores aumentam o risco de desenvolvimento da doença, como:
– Idade acima de 50 anos (com tendência crescente a considerar 45 anos);
– Histórico familiar de câncer colorretal;
– Histórico pessoal de outros tipos de câncer.
No entanto, é importante termos em mente que a doença pode apresentar-se mesmo em pessoa que não apresente estes fatores de risco, assim como o já referido aumento da incidência deste câncer em pessoas com menos de 50 anos. Deste modo, ao perceber algum sinal de alerta da doença, é importante que o paciente procure um Coloproctologista ou mesmo o médico de outra especialidade que o acompanha por outros motivos. Deste modo na consulta pode-se avaliar realização da colonoscopia, sempre que possível.